quinta-feira, 18 de agosto de 2016

Velocidade furiosa literária

O tópico desta crónica vai-se centrar na velocidade de leitura.
Recentemente foi deparado um artigo curioso através de um blogue que dá conselhos para ler mais rápido.
Ora antes de começar,ler já é visto como um bicho de sete cabeças por quem não é atraído por livros,quanto mais imaginar os professores de português no futuro próximo a falarem dessas dicas absurdas devido à sobrecarga das disciplinas.
O artigo é um autêntico disparate,pois depende do ritmo e do campo ocular do leitor!Essa é a pior maneira de fazer alguém se interessar e nem sequer define a capacidade intelectual.
Passando agora ao desenvolvimento,ler jamais deve ser uma competição de rapidez:os olhos vão ficar cansados e o cérebro sufocado.
A velocidade nem sempre é vantajosa,pelo contrário,o texto arrisca a ser mal interpretado.Muitos tropeçam em palavras,saltam linhas,parágrafos por aparecer repetido noutro capítulo,páginas,não sabem relacionar as partes,perdem-se,voltam atrás por surgirem dúvidas e às vezes até têm dificuldades em verbalizarem.É ridículo tornar numa corrida...geralmente a maioria não retém grande informação da obra literária,não se preocupam em aprender algo novo filtrando expressões do gosto pessoal/referindo pormenores que despertem a atenção nem se dão ao trabalho de pesquisar sobre a biografia do autor,só devoram livros por compulsão ou seguem pela popularidade.
Basta observar bloguistas literários obcecados por números que fazem maratonas,estipulando um prazo onde no final do ano apresentam um gráfico como se fosse muito relevante...isso praticamente não revela um patamar superior de cultura e sim uma grave falta de auto-controlo!
Ler em primeiro lugar tem de ser por vontade própria e não uma tortura impingida;segundo,haver disponibilidade;terceiro,o leitor pode ser veloz desde que mergulhe,leia bem e compreenda a mensagem e em último lugar,a leitura tem de ser saudável,ou seja,não deve interferir com o convívio/vida quotidiana e haver pausas (entre livros).
As sugestões do artigo são completamente descabidas e atiçam maus hábitos,os neurónios também precisam de respirar a fim de conseguir memorizar.Anda um escritor a elaborar escrupulosamente um livro para depois algum curioso se despachar a ler num instante ou como forma de entretenimento nos transportes públicos e esplanadas?!Isto é paradoxal!!!
Esse pequeno nicho de pseudo-intelectuais por norma já costuma determinar desafios,por conseguinte o artigo encontrado ao acaso é polémico.O leitor tem de saber gerir as tarefas porque a leitura pressupõe o isolamento,a concentração e a abstracção da realidade e o indivíduo assim é impedido de estar em sintonia com o ambiente ao redor!
Ler é mais profundo do que se pensa.O mal está no argumento erradamente transmitido de que ler muitos livros num ano é sinal de adquirir conhecimento monumental quando na verdade essa associação feita é perigosa (e falsa),sendo uma razão válida para não se acreditar em tudo o que se diz.
A perspectiva ainda é vaga e estabelecer metas de leitura só mesmo no caso de serem cumpridas dentro do tempo.
Concluindo o tópico,ler não tem graça nem é fascinante se o conteúdo não for explorado.A velocidade furiosa literária é uma maluquice inventada por fanáticos.

Sem comentários:

"O discurso é o rosto do espírito." Séneca
"A vida é uma simples sombra que passa (...);é uma história contada por um idiota,cheia de ruído e de furor e que nada significa." William Shakespeare
"O homem que não tem vida interior é escravo do que o cerca" Henri Amiel
"É bom escrever porque reúne as duas alegrias: falar sozinho e falar a uma multidão" Cesare Pavese .