quinta-feira, 21 de agosto de 2008

Boa noite!

Saudações!
Hoje não estou inspirada para escrever muito, mas quando as aulas começarem,é normal que estarei menos tempo na net,dependendo do horário.
O regresso ás aulas está á porta daqui a umas semanas...lá vou eu como sempre gastar "litros" de tinta e "toneladas" de papéis!!!
Neste ano anterior até não gastei muita tinta nem muitos papéis.Este ano vou ter menos disciplinas até porque é o último ano de escolaridade e o tempo também voa logo.
Curioso,quando eu me sinto subestimada,fico horas a escrever e a lamentar loucamente e a escrever em forma de metáforas numa agonia infinita,mas quando estou neutra é o mesmo que não ter nada na cabeça:nada,nada mesmo.

A questão da filosofia na cidade

O universo é uma rede de inter-relações e não existe nada que não seja resultado de uma interacção com outros seres ou outras formas de energia.O que nós vemos é vida,transformação,permuta,criação,ainda que á custa de uma duração limitada dos indivíduos.
A natureza humana é uma natureza social,pois todos nascemos de uma relação entre pessoas e gostamos de companhia,de partilha,de convivência.Alguns indivíduos são mais sociáveis que outros,e que a convivência entre os seres vivos que habitam o nosso planeta é conflituosa.
Desses conflitos resultam comportamentos extremos que vão desde os mais sublimes até aos mais sórdidos.
Os princípios de convivência levou á criação de sistemas de regras sociais,como a moral e o Direito.
Tolerância-atitude de aceitação activa das diferenças étnicas,culturais,religiosas,económicas,etc,que eventualmente nos separam dos outros.
Este resumo foi feito retirando partes do meu livro de filosofia.É muito importante e faz cada vez mais falta o diálogo e sobretudo a tolerância entre os seres humanos.
Uns têm sempre uma vida dinâmica e preenchida e outros são vazios (eu,por exemplo)
"O discurso é o rosto do espírito." Séneca
"A vida é uma simples sombra que passa (...);é uma história contada por um idiota,cheia de ruído e de furor e que nada significa." William Shakespeare
"O homem que não tem vida interior é escravo do que o cerca" Henri Amiel
"É bom escrever porque reúne as duas alegrias: falar sozinho e falar a uma multidão" Cesare Pavese .