segunda-feira, 11 de julho de 2016

Prazer feminino na adolescência

O tópico desta crónica é relacionado com a senda do erotismo feminino.
Há uns tempos quando se ressaltou uma publicação da importância de abrir a discussão sobre o prazer feminino na adolescência,surgiu imediatamente à tona a velha questão da privacidade pessoal dos filhos.
O "Delas.pt" é uma revista digital com base jornalística destinada ao público feminino que engloba diversos temas de todas as áreas da vida.
Ora analisando o artigo,o tema suscita alguma polémica pelo título deplorável atribuído e sobretudo pela forma distorcida de encarar a intimidade feminina na adolescência.
Se as próprias mães não adquiriram conhecimento suficiente a respeito do corpo feminino,como vão falar às filhas?Recorda-se que a geração anterior era conservadora,havia preconceito em relação ao papel da mulher e por isso vai-se evitar introduzir o assunto justamente por não se ter a ideia da naturalidade.
Também devia ter aproveitado para se incentivar as mães a comprarem acessórios eróticos às filhas..é cada uma!Depende da criação dos pais para haver esta abertura mas isso só vai ser totalmente possível nas gerações futuras,caso as adolescentes não reproduzam a mesma educação que as mães tiveram.
A escola não aborda o prazer feminino,aliás,a matéria ainda passa despercebida nessa fase e o pudor é notável porque a sociedade classifica para maiores de 18 e acha certo elas não terem acesso às informações ditas adultas...portanto há desigualdade e se considera escandaloso.
A javarda da Marta Crawford devia ter antes aconselhado as mães que se apanharem as filhas adolescentes a verem ou a lerem conteúdos impróprios,para não as reprimirem e não precisarem de saber tudo delas.
Por outro lado,se as mães não devem ser intrusivas,o artigo em si ironicamente já é controverso,citando a expressão:"Não fazer questões intrusivas.É importante respeitar a intimidade dos filhos que muitas vezes não se sentem à vontade para abordar com os pais detalhes da sua intimidade",ou seja,este ponto do guião imaginário de uma conversa contradiz com a mensagem que se pretende transmitir.
A seguir como se não bastasse,a publicação refere que se os pais não conseguem explicar sobre o prazer,a adolescente deve esclarecer as dúvidas com um adulto próximo...esta gente confirma mesmo estar fora da realidade e não tem o mínimo de noção do quanto pode ser embaraçoso e constrangedor e com uma amiga corre-se o risco de ser gozada e nem sempre se está a par das novidades.A notícia é muito incoerente!!!
Ela pode aprender o assunto por aí,alargando os horizontes ou então o melhor seria consultar um profissional,já que estes autores incompetentes nem sequer tiveram a consciência de publicitarem a clínica onde trabalham.
Por último,as adolescentes têm relações por outros motivos geralmente por serem provenientes de famílias permissivas e moralmente desestruturadas que nada tem a ver com o facto de não descobrirem o erotismo!
A Marta Crawford não é uma sexóloga credível porque discursa de uma perspectiva limitada e a partir das experiências que a marcaram no gabinete e dos estudos realizados,por isso nunca representou a actualidade.
Esse artigo elaborado seria útil há mais de uma década para "quebrar o gelo" acerca do prazer feminino na adolescência,apesar de ser confuso e com uma tendência vaga.Ela tinha uma óptima oportunidade para lançar um guia dirigido às/aos adolescentes para elas/eles se orientarem ao atravessarem essa altura tão conturbada,semelhante ao livro salientado de Mário Cordeiro,não ignorando a auto-estima mas a objectividade é um requisito em falta nesta "tia" desprezível disfarçada de sexóloga:lá pela pessoa ser adulta não significa que seja madura nesta área,pelo contrário,pode ser retrógrada!
Era suposto reflectirem naquilo que disseminam porque são alguém com estatuto,depois é difícil confiar.
Resumindo o tópico,o prazer feminino na adolescência passa pela promoção de uma abordagem saudável e não bacoca.

Sem comentários:

"O discurso é o rosto do espírito." Séneca
"A vida é uma simples sombra que passa (...);é uma história contada por um idiota,cheia de ruído e de furor e que nada significa." William Shakespeare
"O homem que não tem vida interior é escravo do que o cerca" Henri Amiel
"É bom escrever porque reúne as duas alegrias: falar sozinho e falar a uma multidão" Cesare Pavese .