terça-feira, 2 de junho de 2015

Amores e dissabores

O tema desta crónica vai ser sobre as ideias erradamente impingidas do amor.
Como já se constatou pelas partilhas virtuais,quem escreve muito sobre romances,das duas uma:ou não sabe amar ou nunca amou a sério.
Infelizmente os que nunca viveram,inventam histórias,contos,textos,idealizam situações e constroem uma imagem absolutamente irreal.
O amor não é nenhum mar de rosas como tanto se pinta por aí.Não é cerebral e dispensa formalidades e artifícios literários.
É um sentimento puro,incontrolável,rebelde,flui intensamente por ser químico,não tem de ser explicado,não se alimenta de regras e acima de tudo não segue padrões!!!
Falta ser ensinado e reposto no ser humano,e a sua face escondida já era tempo de deixar de ser desprezada e de ser chamada de drama:a dor.
O desgosto também é um sentimento que faz parte e quem já sofreu demonstra grande capacidade de amar e significa que viu alguém com os olhos do coração e não foi valorizado!Por isso requer respeito e educação.
Há gente que não foi educada para os afectos e o resultado é não aceitar os obstáculos no caminho,banalizando e transformando em robôs telecomandados da sociedade.
O compromisso por conveniência não pode ser confundido com felicidade:este tipo de pessoas são formatadas para conhecer alguém através de amizades em comum e como consequência não tiveram desafios,andam com discursos morais baratos,não arriscaram e se basearam na simplicidade do destino.Enfim,são ovelhas do rebanho.
E aqui pergunta-se:qual é a graça de trocar uma loucura genuína por uma relação monótona que encaixe nos critérios certinhos da família (ou do próprio)?Qual é a graça de um "amor" de longa duração sem nada de emocionante,invulgar para contar ou lembrar um dia?Qual é a graça de ficar sempre na zona de conforto que é impossível de compreender?
Qualquer um com discernimento sabe que o amor não se procura,encontra-se,acontece,é uma conquista mas ironicamente é um privilégio traçado para poucos porque o resto apenas se limita a esta convenção estúpida.
É previsível daqui a umas centenas de anos ninguém reconhecer o afecto,talvez não exista mais legado romântico igual ao de Romeu e Julieta,estando condenado a se extinguir caso não haja continuação.
No meio de valores alienados,se todos forem comprometer por norma estabelecida,lamentavelmente vai-se perder a noção dos dissabores e da essência do amor...está-se a atingir um patamar bastante preocupante e escabroso,portanto é escusado imaginar o que as gerações do futuro irão pensar desta época degradante.
O romance escreve-se nas páginas do dia-a-dia,nas linhas da realidade e com uma dose cavalar de autenticidade.

Sem comentários:

"O discurso é o rosto do espírito." Séneca
"A vida é uma simples sombra que passa (...);é uma história contada por um idiota,cheia de ruído e de furor e que nada significa." William Shakespeare
"O homem que não tem vida interior é escravo do que o cerca" Henri Amiel
"É bom escrever porque reúne as duas alegrias: falar sozinho e falar a uma multidão" Cesare Pavese .