quinta-feira, 28 de maio de 2015

Sol negro

Sol negro dos mil mundos,
Que trazeis dissabores tão profundos
Encobertos num fulgor desencantado
Ilumina este sublime espanto.
Aurora divina da eternidade,
Despertai os raios mágicos nocturnos
Adormecidos no sepulcro intemporal.
Luz sombria misteriosa
Sois a vida neste reino tenebroso
Onde todos desconhecem o que é ser generoso.
Sol negro,estrela confortante
Erguei a espada dilacerante
E terminai todo o pranto angustiante,solidificado e transformado em cinzas.
Penetrai com a tua prece intrépida os corações negros já enterrados
E regai os cemitérios com a tua tempestade abundante.
Sol negro,fatalidade dos mil mundos
Guiai anjos sem rumos na Terra da solitude
Através da tua esplêndida negritude
Onde os espíritos mais nobres repousam.
Derramai gotas serenas nas campas esquecidas,
Paraísos abandonados e bosques secretos.
A noite é o refúgio perfeito dos inocentes
Onde esvoaçam no ar zumbidos e temores
Disfarçados no peso do silêncio mórbido.
Sol negro fascinante
Brilhai sobre as trevas enfeitiçadas
E purificai os jazigos das flores góticas sangrentas.

Sem comentários:

"O discurso é o rosto do espírito." Séneca
"A vida é uma simples sombra que passa (...);é uma história contada por um idiota,cheia de ruído e de furor e que nada significa." William Shakespeare
"O homem que não tem vida interior é escravo do que o cerca" Henri Amiel
"É bom escrever porque reúne as duas alegrias: falar sozinho e falar a uma multidão" Cesare Pavese .