quinta-feira, 5 de maio de 2016

Acerca dos casamentos de santo António

O tópico desta crónica vai ser centrado nos casamentos de santo António e na hipótese da potencial aldrabice.
Os casamentos de santo António são realizados a 12 de Junho com a benção do padroeiro dos noivos de Lisboa.É transmitido pelos meios de comunicação social e está ao cargo da câmara municipal.
Ora passa-se que o evento público foi perdendo a graça devido ao teor de casais seleccionados pela organização.
Há pessoas a darem o nó depois de viverem juntos e terem filhos,houve indianos a casarem pela igreja e até já aceitaram emigrantes a viverem em Lisboa...inacreditável ao ponto em que chegou quando devia ser simbólico!!!
regulamento não diz nada de especial ao invés de determinar critérios concretos de selecção,deste modo é susceptível a batota pois os casamentos de santo António são diferentes dos outros,é uma marca religiosa própria da cidade reconhecida no estrangeiro por ser milagreiro;o risco de haver oportunistas é elevado por causa dos programas fora do comum proporcionados pela CML onde eles têm de estar presentes.
A imprensa tem o péssimo hábito de chamar de jovens a pessoas adultas e supostamente com responsabilidades,pelo contrário,os casais têm idade suficiente para saber o que é a independência.A felicidade apregoada do enlace refere-se a duas pessoas solteiras a viverem cada uma na sua casa unidas pelo matrimónio e não cônjuges já com vida formada porque é uma nova etapa importante dos recém-casados com a benção desse dia depois de tanto tempo de espera por esse momento marcante e da fase do namoro (teste de compatibilidade)!!!
A organização devia ter consciência que o santo é o casamenteiro dos solteiros (e divorciados) e não devia ignorar esta parte fundamental,se não ninguém vai perceber.
Na lua-de-mel era escusado irem todos para o mesmo sítio,visto que assim que terminam de desfilar nas marchas,deixam de aparecer na imprensa.É um erro crasso preservar a privacidade porque é a continuação do evento,logo a viagem está incluída e devia ser pública,circulando nos meios de comunicação ou então mais valia ser cada casal a decidir o destino.
As amizades feitas entre eles são para inglês ver:como é possível durante os encontros saberem se há afinidades e medirem a confiança com o outro membro do grupo?Granda tanga,só afirmam de peito cheio por terem a sorte de terem sido seleccionados!
É óbvio que podem travar amizades,talvez com o objectivo de elegerem os futuros padrinhos dos filhos dos casais.
A imprensa também podia dedicar um espaço aos casais anteriores para contarem as suas histórias emocionantes,eles estão relacionados com o evento.
Voltando ao cerne deste tópico,o regulamento devia mesmo pertencer à igreja para os casais não falsificarem algum dado por desespero de casar no santo António ou outro motivo pessoal/financeiro.
Portanto,o padroeiro é para quem esteve solteiro e não para quem busca uma espécie de tábua de salvação do relacionamento para durar o resto da vida como tanto se vê agora.
A tradição decaiu nos princípios morais...não se devia permitir,por isso os candidatos se convencem que não há problema nenhum.
Nesse dia da celebração,eles recebem bajulações na internet e são descobertas por pessoas próximas através da revista "Maria".
As entrevistas de selecção dos casais são muito duvidosas mas enfim é a parolice e a ingenuidade tipicamente portuguesa que se destaca.
Em suma,os casamentos representam o santo popular de Lisboa e convém frisar o simbolismo da esperança.

Sem comentários:

"O discurso é o rosto do espírito." Séneca
"A vida é uma simples sombra que passa (...);é uma história contada por um idiota,cheia de ruído e de furor e que nada significa." William Shakespeare
"O homem que não tem vida interior é escravo do que o cerca" Henri Amiel
"É bom escrever porque reúne as duas alegrias: falar sozinho e falar a uma multidão" Cesare Pavese .