quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

A aberração do kizomba

Saudações!
Tal como o título indica,esta crónica é sobre kizomba,o género musical que se espalhou num instante.
A música africana contagiou meio-mundo e vai ganhando em força cada vez mais fãs,quer se perceba ou não a letra.
Ora o problema encontra-se na mistura de línguas:há expressões no dialecto materno,português,gírias,engole-se palavras e acima de tudo destaca-se a má pronúncia.
Comete-se atropelos gramaticais às colheradas e alterações imperdoáveis.Ou se canta numa língua,ou noutra,jamais se devia autorizar fazer estilo com a cultura oral de um povo porque como é lógico,é uma identidade própria de um país e todos vão imitar mal!
A outra prova de que o kizomba é uma aberração,é o facto de se ter tornado em dança de salão...suprimir músicas intemporais para dar lugar a modas,foi mesmo uma ideia errada.
Chamar quente ao ritmo vindo do planeta dos macacos (ironicamente nome de um filme),não passa de uma estratégia de venda como de costume,fica-se só pelo clima.
O kizomba é seco demais para ser internacional.Aquilo é apenas uma versão lenta do tango com tarraxa e passos de salsa em modo adágio,nada a comparar às músicas antigas que eram românticas,clássicas com um grande toque de sedução.
Claro que o género musical é atraente mas o estado de espírito é superficial.
Só se vai deixar de ter o rótulo de atrasados,a partir do dia em que os artistas reconhecerem o caminho a percorrer para se aprender português decentemente,antes das suas influências terem impacto.
O pior de tudo é fazerem papel de vítimas e "cuspirem" discursos repletos de xenofobia,ao invés de evoluirem...geralmente sentem-se ameaçados por medo de perderem as raízes ligadas à terra,demonstrando nitidamente ainda muita ignorância e falta de capacidade de discernimento do povo de neandertal,por isso África está como está.
O kizomba é uma aberração por ser uma praga linguística largamente disseminada.

Sem comentários:

"O discurso é o rosto do espírito." Séneca
"A vida é uma simples sombra que passa (...);é uma história contada por um idiota,cheia de ruído e de furor e que nada significa." William Shakespeare
"O homem que não tem vida interior é escravo do que o cerca" Henri Amiel
"É bom escrever porque reúne as duas alegrias: falar sozinho e falar a uma multidão" Cesare Pavese .