sábado, 22 de novembro de 2014

Escrever a cores

Escrever a cores era um acto pouco comum.
Dantes era muito em voga as canetas da Uni-ball signo tinta de água,canetas em tinta de gel/brilhantes,canetas de cheiro,e sobretudo,as florescentes.
Escrever a florescente palavras relevantes e breves expressões por motivos estéticos,era meio criticado por se ressaltar e o objectivo era exactamente esse.
O mesmo se passava com as canetas vermelhas:havia conjuntos à venda mas nunca se podia usar por ser considerada ofensiva.Ao invés dessas,tinha-se de optar por escrever a verde que não havia muito.
Só mais tarde se começou a afirmar que as cores ajudavam a fixar,o cérebro decorava mais facilmente e que um caderno escrito a neutro dizia muito do modo de estudo.
Ora bem,geralmente quem não era lá grande adepto de esferográficas coloridas,usava marcadores para reter ideias.
O que é estúpido é essa dita convenção social a proibir de escrever a cores,seja onde for,sobretudo a tinta vermelha...santa ignorância,era só o que faltava!
Actualmente até já existe à venda conjuntos de esferográficas de todas as cores e modelos possíveis,canetas ninja,blocos de post-it de diversas formas engraçadas e fortemente ostensivas!Por isso é absurdo dizer que só se deve escrever a azul e a preto,ninguém vai andar a verificar cadernos e blocos de notas pessoais,essa época já foi e era uma grande falta de respeito mandar na "casa" dos outros,assim como num blogue,no editor de mensagem,encontra-se algumas cores de letra disponíveis mas usa-se muito pouco por "fazerem mal aos olhos"!!!Se alguém anda com problemas de vista,deve consultar imediatamente o oftalmologista,pode ser grave!
O erro típico é esquecer-se de que as cores também dão ânimo aos apontamentos e cativam,sob o risco de serem borrados.
Por mais piroso que sejam,escrever a cores é um modo criativo da memória registar mais rapidamente.

Sem comentários:

"O discurso é o rosto do espírito." Séneca
"A vida é uma simples sombra que passa (...);é uma história contada por um idiota,cheia de ruído e de furor e que nada significa." William Shakespeare
"O homem que não tem vida interior é escravo do que o cerca" Henri Amiel
"É bom escrever porque reúne as duas alegrias: falar sozinho e falar a uma multidão" Cesare Pavese .