quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Sou o princípio e o fim

Sou a penumbra...frágil sombra...vestida de noite
No meu rosto...traços de amargura...cinzas do tempo
E no meu corpo este silêncio...leve sopro de morte
Gravado no tempo...tatuado na alma...eterno lamento
Trago nas mãos tempestades...o inferno...e este vazio
Revolvo a terra...procuro na mulher...o raio e o trovão
Esqueço o que resta de mim...quase nada...apenas frio
Não tenho antes nem depois...apenas tempo e solidão
Trago as dores da terra...amordaçadas
Os anseios do futuro...as dores do passado...as lágrimas
Os segredos...os medos...de todas as mulheres caladas
Todas as promessas...todos os sonhos e todas as mágoas
Sou a voz do vazio...a tristeza...a penumbra da poesia
Sou a pedra do caminho...a folha negra dos meus passos
Sou o abandono...o silêncio da noite...a sombra do dia
Perdida entre o ser e o querer...o vazio dos meus braços
A minha voz calou-se...apenas o silêncio grita...implora
Num poema derradeiro...num verso negro...amordaçado
Num peito sofrido...num coração que em mim chora
Desfeito o sonho...cala-se o pranto...num verso rasgado
Entre mim e a noite...os braços...gestos breves amargos
Não sei quem sou...nas entranhas da terra foi onde nasci
Trouxe nas mãos um poema...nos dedos...silêncios vagos
Sou filha de todos os instantes...sou o princípio e o fim.

2 comentários:

fatima disse...

Este escrito é da minha amiga,Rosa Solidão.porque não po~em o nome da poetisa e escritora???????

Isilda disse...

Eu retirei o poema de uma página do facebook que está aí na imagem,o link mas pelo pouco que me lembro,o nome do autor era outro.

"O discurso é o rosto do espírito." Séneca
"A vida é uma simples sombra que passa (...);é uma história contada por um idiota,cheia de ruído e de furor e que nada significa." William Shakespeare
"O homem que não tem vida interior é escravo do que o cerca" Henri Amiel
"É bom escrever porque reúne as duas alegrias: falar sozinho e falar a uma multidão" Cesare Pavese .