segunda-feira, 18 de março de 2013

Analisando o facebook

Definir o facebook numa palavra é insuficiente.
Ao longo dos tempos,tenho observado que a rede social mais famosa do mundo é bastante rica em conteúdo.
Para além de servir para contactar e reencontrar pessoas,sabemos hoje que o facebook é usado para diversos fins.
Analisando esta potente plataforma:pode-se procurar emprego através de páginas empresariais,coleccionar marcas,ser fã de produtos ou programas,participar em páginas com que se identifica,procurar bases de apoio,tornar o perfil num muro das lamentações,trocar experiências,adquirir cultura através de figuras ou páginas de referência,pode-se obter informações gerais,pode-se começar negócios ou concursos,trocar opiniões em páginas da comunicação social,entreter em páginas de humor ou de gente com gostos em comum,afirmar-se em grupos ou páginas,recordar a juventude ou épocas partilhando imagens simbólicas e descobre-se acima de tudo muitos comportamentos extremos.
Feita esta enumeração,há um detalhe nos negócios que escapa a quase todos:antes de se surgir numa rede para se aproximar do público,não se convém ter um site?Ah,pois é...a página é apenas uma componente do qual não é acessível a toda a gente da internet.Se fosse assim,todos os negociantes concentravam-se no face e o web designer extinguia-se.
Esta rede revelou que as várias opções existentes no registo foram fundamentais,caso contrário nunca ninguém ia chegar a saber se há pessoas com as mesmas afinidades,pois aderir só para conhecer é muito primitivo.
Toda a actividade desenvolvida é o reflexo daquilo que se pretende transmitir e também é uma boa forma de unir pessoas.
Para concluir:o facebook é um bom antro para fazer um "estudo" sociológico aprofundado sobre as relações humanas.

Sem comentários:

"O discurso é o rosto do espírito." Séneca
"A vida é uma simples sombra que passa (...);é uma história contada por um idiota,cheia de ruído e de furor e que nada significa." William Shakespeare
"O homem que não tem vida interior é escravo do que o cerca" Henri Amiel
"É bom escrever porque reúne as duas alegrias: falar sozinho e falar a uma multidão" Cesare Pavese .