sábado, 2 de abril de 2016

As inseguranças da distância

Arreliantes saudações!
O tema desta crónica vai-se incidir nos relacionamentos virtuais.
Nesta mensagem,o tópico já tinha sido abordado mas agora vai ser mais aprofundado.
Através dos resultados de pesquisa efectuados,constata-se que a matéria ainda é pouco desenvolvida devido à complexidade envolvente e são desprovidos de conteúdo porque nem todos passam pela experiência.A informação existente é cliché e em modo fórmula mágica.
Um relacionamento virtual é catalogado frequentemente como um excelente meio para desinibir gente solitária e do outro lado,tem vindo a tornar-se cada vez mais numa vantagem nos dias que correm.
A distância abre naturalmente portas para a desconfiança,sendo raros os casos com coragem de assumir a verdade nesta parte relevante.Quem não consegue manter a fidelidade não deve entrar num compromisso,aguentar a distância é uma prova de amor pura e extrema que requer esforço brutal e uma maturidade descomunal,impossível de ser entendida pela maioria das cabeças ocas.
Conhecer alguém pela internet depende muito da rede social:quanto mais membros da mesma nacionalidade predominarem,mais hipóteses há de travar amizades e  de arrastá-las para o círculo real,do contrário é difícil se identificar.
O ecrã trouxe poder e oportunidades infinitas onde muitos utilizam lamentavelmente para fins negativos tornando o espaço escabroso.
Gente decente existe mas o ambiente virtual leva a acreditar que nem na rede social vale a pena,quando apenas está mal distribuída no mundo,ou seja,estão rodeadas e misturadas com gente medíocre e por lei da natureza,o semelhante atrai o seu semelhante daí a explicação dos bons acabarem solteiros.No ecrã a análise é mais detalhada e cuidada do que se for conhecer alguém pessoalmente:aquilo que se retém da pessoa é limitado,nem sempre há compatibilidade e principalmente mistério.É muito seco e aborrecido,a não ser que se procure uma relação comodista.
Num relacionamento virtual a regra tem de ser igual à da vida real:não vale trair nem se esquivar a nada para o outro membro do casal não criar paranóias,deixar no vazio é praticamente falta de respeito e também não pode haver egoísmo em nenhum sentido e sim colaboração.Se a comunicação não for clara,obviamente vai haver problemas,pois no domínio digital é um bocado diferente implicando grande seriedade e não como der na gana.
A distância é sem dúvida um obstáculo a ser ultrapassado porque sem contacto físico não se pode considerar relacionamento e aqui é escusado comparar aos casais que vivem juntos e no entanto estão longe do pensamento!Convém salientar que muita gente é casada por conveniência e além disso isto funciona como um teste,portanto é normal haver inseguranças.
Quando não há disponibilidade para teclar não vai dar certo mais adiante,as coisas devem ser resolvidas a tempo e a sociedade está saturada de comportamentos desprezíveis.
Os que viveram esta fase do namoro,relatam por aí um cenário absolutamente idealizado,transmitindo a ideia de artificialidade e um grau elevado de patetice ou simplesmente queiram insuflar o ego e convencer os desmiolados a encontrarem alguém da pior maneira.(em vez de se ensinar a serem selectivos)
Uma rede social vai ser a ferramenta desafiante do futuro para conhecer pessoas.
O tópico deve ser aberto e discutido com coerência,porque no ecrã há uma falsa perspectiva de estar acompanhada onde nada é garantido e ninguém nasce com visão raio-x para saber o que está a acontecer.
Concluindo a crónica:os relacionamentos à distância causam insegurança e quem já teve,opta por ocultar os sentimentos menos bons afirmando ser agradável.

Sem comentários:

"O discurso é o rosto do espírito." Séneca
"A vida é uma simples sombra que passa (...);é uma história contada por um idiota,cheia de ruído e de furor e que nada significa." William Shakespeare
"O homem que não tem vida interior é escravo do que o cerca" Henri Amiel
"É bom escrever porque reúne as duas alegrias: falar sozinho e falar a uma multidão" Cesare Pavese .