segunda-feira, 14 de setembro de 2015

Histórias de terror(ismo)

Saudações aterradoras!
O tema desta crónica é uma comparação entre as histórias de terror e de terrorismo.
As histórias de terror eram narrações inventadas que fizeram parte do imaginário de miúdos e graúdos.
Tinham as características de serem assustadoras,misteriosas e tensas.Como eram pouco reconhecidas,foram sempre associadas a contos infantis,bruxas e monstros.
Na realidade as histórias de terror foram infelizmente destronadas pelas notícias constantes sobre os conflitos religiosos.
Antes de mais,é certo que debater sobre religião causa discórdia de convicções,fruto da má informação ou até da falta de tolerância para com os outros credos mas neste caso é impossível não notar a diferença.
Uma história de terror trata-se praticamente de falar de terrorismo.O islão entre todas é a única religião extremista e provocadora de ódio a quem for do contra.Está entranhado na raíz cultural deles viver de guerras santas e arranjarem problemas até mesmo sendo "farinha do mesmo saco".
Entretanto,com tanta distorção dos refugiados (de pobres e santos não têm nada),o ataque às torres gémeas de Nova Iorque,os talibãs,os ataques suicidas dos iraquianos e o atentado ao "Charlie Hebdo" em França,já se tornaram insignificantes e foram esquecidas porque esta é uma maneira de "atirar areia para os olhos",a fim do povo aceitá-los e eles irem aos poucos ganhando terreno,tal como têm planeado.
Os islâmicos são regidos pelo Alcorão e metem em marcha as barbaridades escritas pelo profeta Maomé(rda).
Os sacanas dos jihadistas dão um verdadeiro espectáculo de terror ao vivo,enviando participantes para jogos mortais e financiando jovens que viajam à Síria e alinham com eles nos combates sangrentos do estado,com o objectivo do islão triunfar.
As crianças em sofrimento são futuros terroristas que vão vestir à ninja e exibir orgulhosamente as armas em cima de jipes em nome do aldrabão do Alá.(morrem cem,nascem duzentos)
A capital mundial do terrorismo não deixa dúvidas quanto à opressão:decapitações,apedrejamentos em praça pública,chicotadas por se manifestar opiniões e orações feitiçaria ao ar livre...Meca é um bom antro de concentração de criminosos.
As histórias de terror(ismo) estão a ser disseminadas e o apelo solidário também revela puro cinismo...um dia vai haver uma grande confusão,pois estas ondas é só para ficar bem na fita e para a(s) vítima(s) não se sentirem desamparadas depois acaba à medida que se vai desmascarando.
É lamentável os velhos contos terem perdido valor e dado lugar a personagens reais...eram emocionantes e tinham um final feliz.Ainda há quem insista em acreditar que aquele livro de terror é religião.
Os mouros são uma irmandade infinita e tudo isto é no fundo uma metáfora dos islâmicos.
Concluindo:as histórias de terror(ismo) são uma obra do demónio.

Sem comentários:

"O discurso é o rosto do espírito." Séneca
"A vida é uma simples sombra que passa (...);é uma história contada por um idiota,cheia de ruído e de furor e que nada significa." William Shakespeare
"O homem que não tem vida interior é escravo do que o cerca" Henri Amiel
"É bom escrever porque reúne as duas alegrias: falar sozinho e falar a uma multidão" Cesare Pavese .