quinta-feira, 31 de julho de 2014

Espelho,espelho meu,há alguém mais bonito do que eu?

Mortíssimas saudações!
Hoje vai-se divagar sobre um tema que continua a ser tabu em pleno século XXI e do qual,poucos ousam abordar:o elogio.
Longe vão os tempos onde a necessidade de ser elogiado era uma futilidade.Cada vez mais é comum ver gente que faz disso prioridade,e como é óbvio,há um grande desequilíbrio na sua distribuição e os danos provocados pelo excesso/falta são desastrosos.
As pessoas cheias de atributos na fase de crescimento recebem mais facilmente atenção de quem as rodeia.Vão envelhecendo com a ideia de que as bajulações são essenciais para o bem-estar,tornam-se narcisistas,arrogantes,procuram constantemente aprovação alheia,lidam mal com críticas,vivem para agradar e educam da mesma maneira os filhos.Não é difícil concluir porque a maioria delas chegaram a este ponto de terem o ego grandioso e de andarem a exibir.O resultado não é normal,é escabroso!
Do outro lado,há o extremo oposto:as pessoas habituadas a receberem poucos incentivos positivos,já se conformaram com a falta de elogios.Sentem-se culpadas,inúteis e por vezes até os recusam,achando ser por educação.
Estes dois casos levam a questionar sobre que tipo de pessoas é que se anda a enaltecer...geralmente são sempre as erradas.
Elogiar quem merece não os torna estúpidos:é uma característica que revela sensibilidade e empatia humana,tão raro de se encontrar.
Poucos entendem que a luz tem de ser partilhada e iluminar o dia de alguém que possivelmente deixou de acreditar nas capacidades que tem.
Quantas vezes as pessoas estão mais para apontar o dedo quando se erra do que para elogiar quando se vai bem?São costumes a serem revistos.
Os elogios são ditos pelos piores motivos:com segundas intenções,para animar,para demonstrar poder (quando se trata de um homem senil) e ainda há os fingidos (só para massagear o ego).
Há muita gente que não aprendeu a dizer quando o convém e no momento certo,o que faz com que o reconhecimento seja totalmente desvalorizado.Poucos sabem o prazer desmedido de um elogio natural.
Quem espera ser retribuído é outro erro que cometem.
Os que sempre foram invisíveis acabam por apelar aos seus problemas pessoais,como forma de obter simpatia e respeito de quem os ouve.E depois não se sai do ciclo vicioso da vitimização.
Os elogios estão intimamente relacionados com a estima do interlocutor...logo,as pessoas são o que os outros fazem delas.
Por isso,tal como foi referido no início,o excesso e a falta são nocivos a longo prazo.
A educação conservadora influenciou negativamente neste aspecto e tornou a sociedade ignorante quanto à imagem,confiança e até competência.
A bajulação é o patamar seguinte e também é um acto negativo,pois é o bajulador que se quer destacar.
Voltando ao tema,nenhuma pessoa gosta de ser ignorada,do contrário só alguém bastante amargurado ou sem força moral para afirmar tal coisa.
Concluindo,os problemas de auto-estima surgem devido a gente burra.

Sem comentários:

"O discurso é o rosto do espírito." Séneca
"A vida é uma simples sombra que passa (...);é uma história contada por um idiota,cheia de ruído e de furor e que nada significa." William Shakespeare
"O homem que não tem vida interior é escravo do que o cerca" Henri Amiel
"É bom escrever porque reúne as duas alegrias: falar sozinho e falar a uma multidão" Cesare Pavese .