quinta-feira, 10 de julho de 2014

Escrever à mão

Escrever à mão deixou de ser uma prática comum à medida que vão surgindo novos meios tecnológicos de fazer anotações,sendo cada vez mais aderido desde tenra idade.
Há quem opte por exemplo por agendas electrónicas como forma de poupar material e evitar tralhas,compactando tudo virtualmente numa só peça e considerando isso um armazenamento mais eficaz e outros porque foram obrigados profissionalmente.(esse é que é o erro)
A consequência deste fenómeno são os tão famosos erros ortográficos,já para não falar da quantidade de doenças que vão dar origem,como:artrite e alzeihmer.E então no futuro nem vou falar do que isto vai ser,a somar os novos analfabetos!!!
Assim como circulou recentemente nas notícias,escrever à mão estimula a memória e sou muito apologista da velha guarda até porque,quando os gadgets tiverem problemas,os dados perdem-se e a informação é irrecuperável se não houver cópia (ou o original concreto).
Por isso,manualmente tudo fica melhor organizado.
Os papéis,as canetas e os lápis ainda não se extinguiram e tirar apontamentos e fazer registos requerem ser rabiscados e não digitados directamente no ecrã,que ainda por cima se perde tempo a procurar os atalhos e mal dá para meter pontuação.E depois ninguém se lembra do que fez porque é automático e dispensa o uso do cérebro.
Por outro lado,concordo que se deva escrever (e imprimir) nos dois lados da folha,seja de que tamanho fôr.
Os escravos de máquinas,queixam-se de que já nem conseguem escrever à mão e sentem-se estranhos quando vêem a sua caligrafia.
Portanto,a escrita manual é autêntico e mais vantajoso! 

Sem comentários:

"O discurso é o rosto do espírito." Séneca
"A vida é uma simples sombra que passa (...);é uma história contada por um idiota,cheia de ruído e de furor e que nada significa." William Shakespeare
"O homem que não tem vida interior é escravo do que o cerca" Henri Amiel
"É bom escrever porque reúne as duas alegrias: falar sozinho e falar a uma multidão" Cesare Pavese .