sábado, 28 de janeiro de 2012

Constatação acerca do dia de S.Valentim

Eu já aqui no blogue,falei uma vez há três anos acerca do dia mais idiota do calendário.
Ora bem,eu nunca gosto muito de rodar sempre os mesmos temas mas como o meu ponto forte é contar detalhes que ninguém vê,chegou a altura de aprofundar.
O dia de S.Valentim sempre foi absurdo.Se eu descrevesse o quanto é abominável,o escárnio seria infinito.
14 de Fevereiro é o dia automaticamente associado ao marketing:oferece-se à alma gémea peluches (que deviam ser vendidos na Toys'r'us),flores (como no dia do enterro),ida ao cinema (algo que se pode fazer ocasionalmente) e canecas típicas com inscrições pirosas (talvez por faltar loiça em casa).
Para além destas sugestões,há outras mais evoluídas (sobretudo para pessoas ricas) como, fazer um book íntimo e oportunidades de participar em espectáculos privados.
É um dia em que se celebra o amor.Mas que tipo de amor,carambas?Amor universal?Amor à natureza?Amor romântico?Amor platónico?Amor perverso?Amor sofrido e incompreendido?Amor vulgar?Amor perdido?
Pois bem,se são estes tipos todos,não me parece,uma vez que o modelo principal é o de amor romântico.
Na verdade,os grandes responsáveis por transmitirem o "vómito",são os media:é a televisão que passa toda a estupidez alusiva ao dia.
Quantas vezes já apareceu casais a se declararem frente às câmeras para serem reconhecidos mundialmente?Eh pá,o segredo deles foi ensaiar primeiro,contactar um repórter para gravar e arranjar um grupo de "figurantes" para aplaudir o pedido de casamento.(já pensaram que isso pode significar que têm problemas familiares e que este é o único modo das outras pessoas aprovarem o namoro?É a tal lei da compensação)
Por acaso no vosso dia-a-dia quando observam casais,vêem alguém aplaudir a cena ou "segurar a vela"?
O vírus deste dia torna as pessoas ainda mais acéfalas e patéticas a torto e a direito.
Os que sempre foram os rejeitados acreditam na treta dos cu(s)pidos,enquanto outros sentem a obrigação de escrever dedicatórias para alguém com quem nunca falaram pessoalmente.(que tanto pode ser por curiosidade como esperança que resulte em qualquer coisa)
Actualmente o que é mais comum existir é o amor platónico,o que faz com que aquilo seja fácil de conseguir e o amor se torne vulgar.
Quantas vezes já viram alguém dizer "eu te amo" a desconhecidos ou só para acalmar uma alma desiludida?E quantas vezes um dos parceiro diz coisas para agradar ao outro (muitos chegam a ter um relacionamento duradouro) e um dia mais tarde descobre-se que foi traído?
Pois é meus leitores...como viram,são raros os que arriscam,porque sair da zona de conforto dá trabalho,pois requer disponibilidade e compreensão para com o próximo.
É por isso que o amor é sentido só em palavras e imaginação.Aliás,eu não vejo qual é o motivo que leva o público a adorar coisas básicas e exibicionistas...será que é uma forma de fugir do pessimismo da vida?Só sei que a televisão nacional não vale um caralho,pela quantidade de fantasia que transmite.
Concluíndo:"Amor e ódio,é o verso e o reverso da mesma navalha".

Sem comentários:

"O discurso é o rosto do espírito." Séneca
"A vida é uma simples sombra que passa (...);é uma história contada por um idiota,cheia de ruído e de furor e que nada significa." William Shakespeare
"O homem que não tem vida interior é escravo do que o cerca" Henri Amiel
"É bom escrever porque reúne as duas alegrias: falar sozinho e falar a uma multidão" Cesare Pavese .