terça-feira, 25 de maio de 2010

Uma discussão nesta santa Terra portuguesa acaba sempre aos berros

Não há maneira. Por mais boa vontade que tenham todos, uma discussão nesta santa terra portuguesa acaba sempre aos berros e aos insultos. Ninguém é capaz de expor as suas razões sem a convicção de que diz a última palavra. E a desgraça é que a esta presunção do espírito se junta ainda a nossa velha tendência apostólica, que onde sente um náufrago tem de o salvar. O resultado é tornar-se impossível qualquer colaboração nas ideias, o alargamento da cultura e de gosto, e dar-se uma trágica concentração de tudo na mesquinhez do individual.


Miguel Torga, in "Diário (1940)"

4 comentários:

AVOGI disse...

ora bem sem tirar nem por.kis :)

Alexandre disse...

E é mesmo verdade.
As discussões até são saudáveis, mas as pessoas têm de SABER discutir!
Isso é importante!

Clarice disse...

Isilda, isso porque você não viu uma discussão de italianos, hehehe! Nem precisa ser briga, basta estarem juntos.
A tarefa mais difícil que encontrei nesses meus quilômetros foi a arte de ouvir. Ouvir de verdade.
Abraço.

almighty yellowphant disse...

já acontecia nos maias. A conclusão: mudam as moscas mas m**** é sempre a mesma :P

"O discurso é o rosto do espírito." Séneca
"A vida é uma simples sombra que passa (...);é uma história contada por um idiota,cheia de ruído e de furor e que nada significa." William Shakespeare
"O homem que não tem vida interior é escravo do que o cerca" Henri Amiel
"É bom escrever porque reúne as duas alegrias: falar sozinho e falar a uma multidão" Cesare Pavese .